Síndrome de dor patelo-femural ou Joelho de Corredor - ojoelhodoi.pt

Síndrome de dor patelo-femural ou Joelho de Corredor

Já ouviu falar da síndrome de dor patelo-femural? O nome pode assustar, mas hoje desmistificamos o problema! A síndrome de dor patelo-femural, também conhecida como “joelho de corredor”, é um termo médico que designa dor na face anterior do joelho, proveniente da articulação entre a rótula e o fémur. Pode ter muitas origens e sintomas associados, mas deixamos dicas simples para que possa controlar o problema!

Já ouviu falar da síndrome de dor patelo-femural? O nome pode assustar, mas hoje desmistificamos o problema!

A síndrome de dor patelo-femural, também conhecida como “joelho de corredor”, é um termo médico que designa dor na face anterior do joelho, proveniente da articulação entre a rótula e o fémur. Mas como surge?

A articulação do joelho é um mecanismo complexo: quando dobramos o joelho, a face posterior da rótula desliza ao longo de uma goteira existente no topo inferior do fémur. E, quando existe um “desalinhamento” desse mecanismo, a articulação entra em esforço, provocando inflamação. Este desalinhamento deve-se a múltiplos fatores, entre os quais problemas nos pés, mau alinhamento da rótula por causa dos ligamentos, lesões no joelho que tenham provocado lesão ligamentar, diminuição da força muscular ou compressão do lado externo da rótula.

A origem e os sintomas associados nem sempre são claros, por isso, é aconselhável que esteja atento quando sente:

. uma “moinha” que se intensifica quando faz exercício ou determinadas atividades no dia-a-dia;

. mais dor depois de ter estado sentado durante um longo período de tempo;

. pode haver uma sensação de crepitação acompanhado do som de “estalos” do joelho quando se mexe;

. inchaço em redor da rótula;

Se sente alguns destes sintomas, procure aconselhamento médico e tome nota do tratamento!

Comecemos com dicas simples. Tendo como objetivo diminuir os sinais inflamatórios, deve evitar caminhar ou estar muito tempo em pé para não agravar a sua lesão. Aplique também gelo na área lesionada durante 20 minutos (espere depois cerca de 40 para voltar a aplicar) e opte por utilizar um joelho elástico. Por fim, não se esqueça de elevar a perna um pouco (acima do nível do coração) para diminuir o inchaço.

A segunda fase do seu tratamento arrancará após a avaliação postural (estática e dinâmica), que permitirá corrigir alguma alteração biomecânica, através da reeducação da postura, e da escolha de calçado ou ortóteses mais adequadas a cada caso.

Segue-se, logo depois, o fortalecimento muscular onde são utilizadas algumas técnicas como:

. exercícios de fortalecimento estático do quadricípite e glúteos;

. estimulação elétrica funcional (FES) do músculo quadricípite;

. ligadura de tape para realinhamento da rótula;

. exercícios em carga, como leg press e agachamentos (nunca a mais de 90º de flexão do joelho);

. cirurgia – apenas em casos extremos.

O “joelho de corredor” pode ser um verdadeiro desafio para quem corre ou gosta de praticar desporto regularmente. O nome original pode assustar, mas, quando diagnosticado numa fase inicial, existem várias soluções para controlar o problema. Por isso, não tenha medo! Esteja atento aos sinais, verifique se reúne fatores de risco aqui e tenha uma vida sem limitações.

Fonte: Correr por Prazer

Aviso

Está prestes a deixar um website da Sanofi e a aceder a outro site, onde não se aplica a nossa política de privacidade. A Sanofi não é responsável pelo conteúdo de websites externos.

Voltar Continuar

Pin It on Pinterest

Share This