Mitos e realidades da Osteoartrose

Quando se considera a OSTEOARTROSE e o que se deve ou não fazer em relação ao tratamento desta doença, deve-se ter em conta o que é a realidade e o que são alguns dos mitos que lhes estão associados. Nem tudo o que parece óbvio, é o mais correto.

mitos e realidades da osteoartrose

Quando se considera a OSTEOARTROSE e o que se deve ou não fazer em relação ao tratamento desta doença, deve-se ter em conta o que é a realidade e o que são alguns dos mitos que lhes estão associados. Nem tudo o que parece óbvio, é o mais correto. Conheça alguns dos mitos e realidades da Osteoartrose mais comuns:

A DOR É UM SINAL DE ALERTA

As cartilagens não têm sensores de dor, nem têm nervos e, por isso, não doem. A dor que se sente durante a prática de exercício não é um sinal de mais danos articulares, nem é motivo para se preocupar, desde que se situe num patamar aceitável. O exercício sem dor é praticamente inexistente. Por isso, é fundamental perceber-se a diferença entre o que são os músculos doridos e outro tipo de sintoma do género. Qualquer dor que surja durante o exercício deve desaparecer em 24 horas, ou então, este terá sido exagerado.

Também é importante lembrar que a dor que resulta da Osteoartrose é flutuante. O que não causa dor numa altura, pode causar noutra e vice-versa. Isto é perfeitamente normal. Aprender a reconhecer a resposta das articulações e do corpo, sobretudo numa fase inicial, permite ajustar a dose, intensidade e duração da atividade ou exercício, mantendo a dor num nível aceitável.

O DESCANSO É BOM

Outro mito. Se evitar mover-se sempre que sentir dor, corre o risco de perder a mobilidade e a força necessária à vida quotidiana. O corpo adapta-se rapidamente a qualquer tipo de atividade ou inatividade. Se realizar um menor esforço no dia-a-dia, também terá menos energia e será necessário menos esforço para que sinta dor. Por isso, uma boa regra é, aprender a lidar com a dor e interpretá-la de acordo com o nível do “aceitável”, como vimos anteriormente.

A DOR DEVE SER COMBATIDA COM DOR

Já o facto de insistir e continuar a treinar, apesar de sentir dor, pode levar a um aumento gradual da mesma. Mais uma vez, é fundamental distinguir entre a dor muscular (própria do exercício) e a dor da Osteoartrose. Aprenda a reconhecer e a interpretar o tipo de dor que sente

O EXERCÍCIO CAUSA DANOS À ARTICULAÇÃO

Não há evidências de que o exercício de intensidade moderada tenha um impacto negativo sobre a cartilagem nos casos de Osteoartrose. Pelo contrário,  vários estudos apontam para que aqueles que praticam exercício físico moderado, têm melhor qualidade da cartilagem do que aqueles que permanecem inativos. Outra situação é a do exercício de competição. Aqui, o treino intensivo ou o exercício quase diário, aumentam o risco de ocorrência de lesões e, por via disso, o risco de desenvolvimento da Osteoartrose.

O “RANGER” NAS ARTICULAÇÕES É CAUSADO POR UM AUMENTO DA CARTILAGEM

O facto de ouvir um “ranger” não é perigoso, por si só. Na maioria das vezes, tal pode dever-se à quantidade e qualidade do líquido sinovial não serem tão boas como deveriam. Também pode ter sucedido que cartilagem articular se tenha tornado como uma “franja” e áspera como uma lixa, deixando de ser uma superfície lisa. Na realidade, sempre que as superfícies articulares friccionam umas nas outras, podem ranger. nos casos graves de Osteoartrose, em que não há existe cartilagem articular sobre as articulações, pode ouvir-se um som abafado de atrito de osso contra osso, em vez de cartilagem contra cartilagem.

AS ARTICULAÇÕES DETERIORAM-SE CADA VEZ MAIS ATÉ SE DESGASTAREM TOTALMENTE

Existem diversas razões pelas quais uma pessoa pode ter Osteoartrose e a doença varia de pessoa para pessoa. A doença avança por fases e podem até haver recaídas. Assim, a um período de mais dor e sintomas, pode seguir-se um período de menores ou mesmo nenhuns problemas. Até as recaídas podem ter diferente duração e uma gravidade variável. Em algumas pessoas, a doença para completamente e os problemas podem até desaparecer. Depende de cada caso. O que se pode afirmar com segurança é que a Osteoartrose tem uma evolução mais rápida nos indivíduos obesos e naqueles que têm os músculos mais fracos.

Fonte (29/05/2020)

Aviso

Está prestes a deixar um website da Sanofi e a aceder a outro site, onde não se aplica a nossa política de privacidade. A Sanofi não é responsável pelo conteúdo de websites externos.

Voltar Continuar

Pin It on Pinterest

Share This