O envelhecimento e a artrose: idosos ativos vs sedentários

O envelhecimento é um processo natural na vida dos seres vivos, ao longo do qual vão ocorrendo alterações biológicas, psicológicas e sociais. A partir de certa altura e à medida que o tempo passa, existe uma gradual diminuição das capacidades de adaptação e desempenho psicofísico do indivíduo. É possível intervir nesse processo através de uma vida equilibrada e mais ativa.

O envelhecimento é um processo natural na vida dos seres vivos, ao longo do qual vão ocorrendo alterações biológicas, psicológicas e sociais. A partir de certa altura e à medida que o tempo passa, existe uma gradual diminuição das capacidades de adaptação e desempenho psicofísico do indivíduo. É possível intervir nesse processo através de uma vida equilibrada e mais ativa.

 

Em muitos países do mundo, a Osteoartrose surge como a patologia mais comum entre a população idosa. Esta afeta praticamente toda a população com mais de 50 anos, apesar de nem sempre os sintomas serem evidentes. As mulheres são mais afetadas do que os homens. Trata-se de uma doença degenerativa e inflamatória que atinge as articulações sinoviais e promove alterações na cartilagem articular. De entre as articulações, as mais acometidas pela disfunção são as dos joelhos. A Osteoartrose leva à redução da capacidade funcional, impedindo os doentes de realizarem atividades como subir escadas, levantarem-se, sentarem-se ou até caminharem.

ATIVIDADE FÍSICA

Com o aumento da população idosa e da expectativa de vida, surgem com maior frequência doenças relacionadas com o processo de envelhecimento. Grande parte das limitações das pessoas com idade mais avançada está intimamente relacionada com o sedentarismo. Daí a importância da atividade física nas suas mais diferentes modalidades e com os mais diversos objetivos. Uma vez que o exercício melhora a circulação sanguínea e o movimento das articulações, a falta de atividade física pode provocar problemas nestas, gerando dor. Sendo a dor associada à Osteoartrose a principal causa de restrição da atividade física em idosos, é importante ter consciência de que os exercícios físicos têm atuação direta no controlo da dor e na manutenção da função articular, podendo ser esta a melhor opção, por exemplo nos casos moderados da doença. Em homens e mulheres idosos, uma menor atividade física leva também à diminuição da massa muscular e a uma maior prevalência da incapacidade física. Sabe-se que a prática regular de exercícios físicos, desde a fase de adolescente à de jovem adulto, retarda a perda muscular do idoso. Quanto mais ativa é uma pessoa, menos restrições físicas ela possui. De entre os incontáveis
benefícios que a prática de exercícios físicos promove, um dos principais é a proteção da capacidade funcional. Em todas as idades, mas principalmente nos mais idosos.

CONCLUSÕES

Existe atualmente um aumento da prática de atividades físicas por parte da terceira idade, procurando a melhoria da qualidade de vida e a independência funcional. Com o envelhecimento da população e o aumento das doenças crónico-degenerativas, como é o caso da Osteoartrose, existem estudos que mostram uma real influência do exercício aeróbio e de resistência no tratamento e prevenção da doença em pessoas mais idosas. O que mostra também que o sedentarismo tende a acelerar o desenvolvimento da patologia.

Fonte (22/05/2020)
MAT-PT-2000838 v1 10/2020

Aviso

Está prestes a deixar um website da Sanofi e a aceder a outro site, onde não se aplica a nossa política de privacidade. A Sanofi não é responsável pelo conteúdo de websites externos.

Voltar Continuar

Pin It on Pinterest

Share This